Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Jovem abrigado da FPE supera limitações e vira bixo da Ufrgs

Publicação:

Por causa da limitação nos movimentos, Adrian tem uma maneira especial para mexer no teclado do computador
Por causa da limitação nos movimentos, Adrian tem uma maneira especial para mexer no teclado do computador - Foto: Eveline Medeiros/ Palácio Piratini

Adrian tem 21 anos, é fanático pelo Inter, ama computadores e acabou de passar no vestibular mais concorrido do Estado, o da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. O curso escolhido foi o de Ciência da Computação, com 10 candidatos por vaga. Você pode estar se perguntando: “Ok, legal, mas milhares de jovens conseguem isso todos os anos”. Verdade! Mas algumas circunstâncias tornam a conquista de Adrian tão grande quanto o sorriso dele.

Secretária Maria Helena parabeniza o jovem Adrian
Secretária Maria Helena parabeniza o jovem Adrian - Foto: Dani Barcellos/Palácio Piratini

O rapaz não sente quase nenhum movimento dos ombros para baixo. Ficou tetraplégico em 2013, quando foi atingido por uma bala perdida no pescoço e passou três meses no hospital. De lá pra cá, teve que se acostumar com a vida em uma cadeira de rodas. Não foi fácil, mas Adrian sempre contou com o apoio de um monte de 'mães' e 'pais'. É assim que ele chama os agentes educadores do abrigo Cônego Paulo de Nadal, da Fundação de Proteção Especial do Governo do Rio Grande do Sul. A FPE tem cerca de 400 abrigados. São crianças, adolescentes e jovens que precisam de proteção e cuidados especiais e, por determinação judicial, vivem sob a tutela do Estado. A maioria sai aos 18 anos de idade, mas os que tem deficiência permanecem, como o Adrian. 

“Depois do meu acidente, eu vim pra cá porque a minha mãe não tinha condições de cuidar de mim. Estudar foi o caminho que eu encontrei”, conta o jovem. Foco e determinação não faltaram. A preparação para o vestibular da Ufrgs durou um ano. “Quando eu terminei o colégio, eu fiz o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), mas não fui muito bem na redação. Daí eu fui atrás de um cursinho popular. Os professores e os colegas me ajudaram muito. Eu tinha aula de tarde e, de noite, aqui no abrigo, estudava mais um pouco. Nem que fosse só uma coisinha, mas alguma matéria eu revisava”, conta. 

Por causa da limitação nos movimentos, Adrian tem uma maneira especial para mexer no teclado do computador. Em vez das pontas, usa os ossinhos do meio dos dedos. O toque ele não sente, mas tem coordenação para digitar. Resultado de muita fisioterapia. A ideia dele era ver o listão dos aprovados no notebook, mas a notícia veio de outro jeito. “Na verdade, eu nem tive tempo de ver o listão. Já veio todo mundo correndo e gritando que eu tinha passado!”, lembra, dando risada. 

O bixo, é claro, ganhou uma faixa, que está no pátio, pra todo mundo ver. Francisca de Godoy é uma das agentes educadoras. Ou melhor, uma das 'mães' do calouro. “O coração tá batendo até agora. Nossa! Eu me emocionei muito. A gente dizia: Guri, tu passou! Tu tá na Ufrgs!”. E acrescenta: “A gente é como mãe pra eles. É o nosso trabalho. A gente dá carinho, faz as coisas pra eles, chama atenção quando precisa, como toda mãe”. 

As aulas começam em março. Até lá, ele vai curtir uns dias de férias. Aproveita, Adrian. O descanso é mais do que merecido.

00:00:00/00:00:00

Jovem abrigado da FPE supera limitações e vira bixo da Ufrgs

Canal oficial do governo gaúcho. INSCREVA-SE e saiba em primeira mão as notícias do Rio Grande do Sul. Siga também nossos perfis no twitter @governo_rs, facebook GovernodoRS e no portal do governo: http://www.rs.gov.br/ Acesse este espaço também par Crédito: Governo do Rio Grande do Sul

Texto: Vanessa Felippe; fotos Eveline Medeiros/ Especial Palácio Piratini
Edição: Léa Aragón/ Secom

Gabinete de Políticas Sociais